Salinidade por satélite?

Posted in Ciência, Geophysics, Oceanograhy, Planeta Terra, Satélites, Science on September 4, 2012 by cienciaecuriosidade

Salinidade por satélites?

O uso de dados obtidos através de satélites tem sido cada vez mais utilizado para estudos científicos que visam compreender os processos oceânicos e sua relação com eventos climáticos.

O avanço tecnológico tem ajudado muito a aumentar o conteúdo de informações trazidas por esses instrumentos.  Quem diria que um dia seria possível medir a salinidade dos oceanos a partir de um satélite?

Em junho de 2011, a Agência Espacial Americana (Nasa) lançou o satélite Aquarius,  que tem como principal objetivo medir a salinidade dos oceanos. Até o lançamento desta missão, os dados de salinidade dos oceanos eram medidos apenas em amostras locais (in situ) com o auxílio de navios de pesquisa ou bóias.  Já o Aquarius, que mede a salinidade da superfície dos oceanos a partir de um radiômetro (instrumento que quantifica a energia emitida pelos corpos), trará informações em perspectiva global.

O conhecimento de valores de salinidade é importante pois pode ajudar a compreender os padrões de circulação das correntes marinhas e consequentemente, associá-las à estudos de variabilidade climática.

Após um ano em missão, os primeiros mapas de salinidade dos oceanos globais foram produzidos. Apesar desses novos dados conterem incertezas, essas diminuirão com o passar do tempo, a medida que novos ajustes e  novas calibrações serão realizadas.

De volta

Posted in Uncategorized on September 4, 2012 by cienciaecuriosidade

Depois de dois anos fora do ar, o blog cienciaecuriosidade.wordpress.com está de volta, agora com novo colaborador!

Espero que gostem!

wikipedia

Posted in Uncategorized on May 11, 2010 by cienciaecuriosidade

Se você já entrou no wikipedia procurando algo e não encontrou ou se deparou com um esboço, a solução a muito simples: Edite no wikipedia!

Qualquer leitor pode fazer isso e estará contribuindo para a divulgação de novos conceitos online.

Para isso, basta seguir algumas normas do site:

– Não copie textos de outras fontes para a Wikipédia, pois isto pode ferir o direito autoral. Use suas próprias palavras.
– Inclua fontes fiáveis no seu texto, através de notas de rodapé.
– Não escreva sua autobiografia aqui. Para isto existe sua página de usuário.
– Se as informações forem consideradas falsas elas poderão ser eliminadas.
– Não use internetês; na Wikipédia usa-se a norma-padrão da língua portuguesa, e suas edições poderão ser consideradas vandalismo.
– Não altere as versões da língua portuguesa (pt-BR para pt-PT ou pt-PT para pt-BR); se persistir nessa atitude, poderá ser bloqueado.
– Não assine este artigo ou escreva seu nome. Suas edições ficarão registradas no histórico de edições da página.
– Veja também os 5 pilares da Wikipédia, nossas políticas e recomendações e a página de ajuda.

Para quem costuma ler meu blog,  eu escrevi uma biografia sobre um Paleontólogo chamado Llewellyn Ivor Price e para minha supresa, não tinha muita coisa na página… apenas editei copiando meu texto para o wikipedia. Mas cuidado! meu texto foi colado pois é de minha autoria… não copiem textos! Sigam as normas e aproveitem do conhecimento e da criatividade!

Ciência em quadrinhos

Posted in Uncategorized on March 12, 2010 by cienciaecuriosidade

O “jornalista de profissão e cartunista de nascença”, como se apresenta Joaão Garcia (Jão), está divulgando seus quadrinhos em um blog. Vale a pena conferir!

http://jaogarcia.blog.uol.com.br/

Papel Plantável

Posted in Uncategorized on February 21, 2010 by cienciaecuriosidade

Uma solução ecológica e criativa para que o papel usado não vire lixo é plantá-lo. Existem mais de 40 variedades de papéis germináveis, feitos com vários tipos de sementes, que se transformam em grama, flores e temperos e podem ser comprados pela internet. No Brasil, a oficina de papel reciclado do Projeto Tear foi uma das pioneiras na fabricação do produto. Desde março, comercializa um papel composto por sementes de grama São Carlos, que é 100% ecológico, pois, além de reciclado, não passa por nenhum processo químico. O grupo está testando sementes de salsinha, de flores e até de árvores para a confecção de suas folhas.

O papel germinável, que tem o mesmo custo do reciclado (R$ 0,90 o tamanho A4), não substitui o industrial, mas vende bem em seu mercado específico (embalagens e cartões diferenciados, por exemplo). Sua maior vantagem é a sustentabilidade. Quando comparado ao industrial, reduz o consumo de energia em até 70%, a poluição da água em 35% ou mais e requer 55% menos água durante a fabricação, segundo Rick Meis, engenheiro bioquímico da Universidade do Colorado. Parece uma boa saída diante dos 15,2 trilhões de páginas impressas no mundo todo em 2006. Número que ainda deve crescer 30% nos próximos 30 anos, estima a empresa de dados e análise do mercado de impressão Lyra Research.

FONTE: Galileu

Rapidinha: Como calcular o dia de Páscoa?

Posted in Uncategorized on February 21, 2010 by cienciaecuriosidade

Quem nunca se perguntou por  que a Páscoa, o Carnaval e o feriado de Corpus Christi mudam de ano para ano?

A resposta é simples:

  • A Páscoa é o primeiro domingo do ano após a lua cheia cheia que ocorre depois do início da primavera no hemisfério norte;
  • O Domingo de carnaval acontece 49 dias antes do domingo de Páscoa;
  • O feriado de Corpus Christi acontece 60 dias depois da Páscoa!

Meteoro x Meteoróide X Meteoritos

Posted in Uncategorized on February 19, 2010 by cienciaecuriosidade

Meteoro  (do grego meteoron, que significa fenómeno no céu)

Os termos meteoros, meteoróides e meteoritos são sempre muito confundidos. Resumidamente, podemos descreve-los:

METEORÓIDE: Corpos de dimensões variáveis vindos do espaço, que se tornam incandescentes ao atravessarem a atmosfera.

METEORO:  termo usado para descrever a faixa de luz produzida conforme matéria do sistema solar entra na atmosfera de Terra se incandescendo pelo atrito com as partículas de ar.

METEORITO: É um meteoróide que sobrevive a passagem atmosférica em forma de meteoro e alcança a superfície da Terra.